Setor elétrico quer novas regras para garantir rentabilidade no longo prazo

Sobre contratação das distribuidoras e expansão do mercado livre vêm mudando funcionamento dos negócios em energia nos últimos anos e pedem ...

Sobre contratação das distribuidoras e expansão do mercado livre vêm mudando funcionamento dos negócios em energia nos últimos anos e pedem outra revisão, após alterações em 1996 e 2004


Agentes do setor elétrico estão interessados em avançar com a discussão de mudanças nas regras do setor para garantir a rentabilidade das empresas de geração, transmissão e distribuição no longo prazo.

Seguindo o ritmo atual, o endividamento com sobrecontratação e a queda na receita das distribuidoras pela migração de consumidores para o mercado livre tendem a achatar cada vez mais os ganhos. Sem garantia de rentabilidade, os aportes na rede podem cair e afetar o suprimento de energia em dez anos, avaliaram fontes.

"Temos que repactuar a responsabilidade pela expansão, porque temos os próximos cinco anos garantidos, mas em dez anos precisamos ter essas questões resolvidas", disse o diretor da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), Tiago Correia.

Para ele, o momento atual é adequado para uma revisão do setor, que não deve ser tão profunda como a promovida pelo governo em 1996, quando a Aneel foi criada. Depois dessa primeira mudança, o setor passou ainda por ajustes em 2004 quando foram criadas a Empresa de Pesquisa Energética (EPE) e a Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE).

"Estamos chegando a um momento que esse modelo começa a se esgotar por dois motivos: os custos de expansão começam a ficar pesados para distribuidoras e a contratação [de energia] está cada vez mais longe do centro de carga [geração] levando à necessidade forte de transmissão, cujo volume de investimento necessário hoje está aquém da capacidade dos grupos [com atuação] no País", avaliou o diretor da Aneel.

Em resposta a isso, a Aneel está fazendo chamadas públicas para colher sugestões que ajudem a estabelecer um novo modelo para o setor.

O formato atual dos leilões também está sendo avaliado, comentou o diretor de estudos de energia elétrica da EPE, Amilcar Guerreiro. "Os leilões de longo prazo casam bem com hidrelétricas que operam por 100 anos, mas com o avanço tecnológico a instalação solar, por exemplo, pode ter outra concepção e recursos daqui cinco anos. Então eu não sei se um contrato longo ainda faz sentido", citou ele.

Guerreiro destacou ainda que as métricas de acompanhamento da oferta e demanda de energia no País estão defasadas, gerando diferenças na formulação de preços, crítica feita também por executivos.

"A formação de preços precisa refletir o custo de investir em geração e a capacidade de distribuição", defendeu o presidente CPFL Brasil, Daniel Camposilvan. O executivo vê a expansão do mercado livre e da geração distribuída como mudanças sem volta, mas pondera que é necessário rever a estrutura existente para garantir recursos à ampliação e manutenção da infraestrutura da geração à distribuição.

O retorno para as distribuidoras é uma das principais preocupações dos agentes e executivos do setor, porque elas são a ponta arrecadadora da cadeia. "O ano de 2017 será para se discutir as regras com a migração de clientes e geração distribuída", comentou o presidente da Associação Brasileira de Distribuidores de Energia Elétrica (Abradee), Nelson Fonseca Leite. Mas para ele, antes de resolver o problema da rentabilidade, é importante solucionar o endividamento com a sobrecontratação.

A estimativa da Abradee é que a sobrecontratação das distribuidoras de energia encerre o ano no patamar de 104,5%, mas não dá previsões para o ano que vem. Já a CCEE projeta excedente de 107,1% neste ano e 103,9% em 2017.

Mercado Livre

O presidente da CCEE, Rui Altieri, lembrou também que o endividamento referente ao déficit de geração hídrica (GSF) não repactuado no mercado livre soma R$ 1,2 bilhão, envolvendo 147 liminares judiciais vigentes. "Resolvemos essa questão no mercado regulado, mas precisamos encontrar uma saída no mercado livre ou vai travar novamente", disse.

Segundo Altieri, o problema da GSF se concentra hoje em quatro distribuidoras, a Companhia de Eletricidade do Amapá (CEA), a Eletrobras Amazonas Energia, a Eletrobras Distribuição Acre e a Eletrobras Distribuição Piauí (Cepisa), sendo as três últimas do Grupo Eletrobras. Mas a expectativa dos agentes do setor é que a mudança na gestão estatal elétrica se traduza em uma resolução do endividamento nos próximos meses.

Além do GSF, a migração intensa de consumidores de baixa tensão para o mercado livre preocupa Altieri. "Precisamos de uma medida regulatória que incentive o consumidor a migrar embaixo do comercializador varejista para dar o desenho de mercado que pensamos lá atrás, com a CCEE atuando como atacadista."

A figura de comercializador varejista proposta pela CCEE já tem três empresas habilitadas, mas ainda não deslanchou.

A FAVOR


●Diferentemente de anos anteriores, quando reguladores e elétricas discutiam soluções após problemas estruturais atingirem o setor, a expectativa agora é antecipar mudanças e preparar o setor para evitar prejuízos em toda a cadeia.

CONTRA

●A intenção de aprimorar o funcionamento do mercado de energia tanto regulado como livre, esbarra nos problemas de anos anteriores que ainda não foram resolvidos e deixaram todo o setor sem caixa para investir.

Fonte: DCI

COMENTÁRIOS

Nome

14136,1,14136:2002,1,16280,11,abastecimento,7,Abinee,2,ABNT,22,Abraceel,3,abradee,7,ação social,3,acidentes,9,ADASA,1,administração de condomínios,6,AES,2,água,28,Alston,1,ambiente interno,1,ANA,1,Anatel,5,Android,1,aneel,67,Angra,1,ANP,1,apagão,8,Aplicações,2,aplicativo,5,Apple,2,aquecedor solar,2,aquecimento,3,ar condicionado,3,arquitetura,4,ART,2,Asolar Energy,1,associações,3,assosindicos,29,assosindicos-df,25,aterramento,2,audiência pública,5,autoconsumo remoto,1,autogeração,4,autogeradores,2,automação,1,automóvel,6,autônomo,5,Baidu,2,bairro,1,banda-larga,6,bandeiras tarifárias,55,barrageiro,1,bateria,27,Belo Monte,9,bicicleta,2,biodiesel,2,bioenergia,5,biogás,1,biohacking,1,biomassa,5,biotecnologia,1,blog,4,blogueiros de brasília,7,BNDES,11,boletos,1,bom negócio,2,Bovespa,1,bricolagem,1,BRICS,2,burocracia,1,cabeamento estruturado,2,Cade,2,CAESB,3,calculadora,1,campanha,4,carnaval,1,carregador,6,carreira,15,carro elétrico,23,cartel,3,cartilha,5,carvão,2,catavento,2,CCEE,7,CEB,32,CELG,2,celular,11,células de combustível,1,centrais hidrelétricas,1,cesp,1,cftv,2,charge,3,chefe,1,China,9,chip,1,choque,4,choque elétrico,6,cidade inteligente,4,Ciência,8,Cinema,2,classe,1,CLDF,6,climatização,1,CO2,7,código de posturas,1,cogeração qualificada,1,coletores solares,1,combustíveis,4,comércio,2,computadores,4,comunicação,11,concessionárias,8,concurso público,1,condomínio,27,Condomínios,27,congresso,3,conjuntura,1,construção civil,3,consulta pública,7,consumo,77,conta,69,controle de acesso,1,convenção,1,convênios,1,convivência,5,CoP21,4,Copel,2,corrupção,7,CPFL,10,CREA,5,CREADF,4,crise,10,crise energética,12,crise hídrica,58,CSEM,2,cultura,4,currículo,5,cursos,22,custos,4,decreto,1,defesa civil,4,desabastecimento,2,descarga atmosférica,6,descarga elétrica,6,descargas elétricas,5,desmatamento,3,diesel,3,direito tributário,1,disjuntores,1,Dispositivo de Proteção contra Surtos,2,Dispositivo DR,2,distribuidora,15,Distrito Federal,7,dívida,4,Doe Sangue,1,DPS,2,drones,3,ecológico,2,economia,158,Edificações,7,Eduardo Braga,3,educação,12,eficiência energética,25,elétrica,11,eletricidade,46,eletricista,3,eletrobras,8,eletroeletônicos,1,Eletrolão,1,eletrônica,4,Eletros,1,elevadores,3,empreendedorismo,9,emprego,15,empreiteiras,2,Empresa de Pesquisa Energética,3,Empresas,4,Empresas abertas,1,Empresas brasileiras,1,Empresas estatais,1,endividamento,3,energia,88,energia elétrica,85,energia eólica,30,energia limpa,19,energia nuclear,4,energia renovável,32,energia solar,107,energia sustentável,13,energias alternativas,17,engenharia,28,ensino,6,entidades,1,entretenimento,1,eólica,16,EPE,6,escola,4,escolaridade,1,estágio,1,Estatais brasileiras,1,estatísticas,1,estatuto,1,evento,18,exposição,6,fábrica,7,facebook,2,falta de energia,9,família luz,1,feira,5,FGTS,4,Fiepa,1,finanças,4,financeiro,2,fios e cabos elétricos,11,fluorescentes,4,FMI,1,fontes renováveis,19,fotovoltaico,52,fraude,7,frente parlamentar,2,Funai,1,futuro,5,gás,8,gás natural,8,gasoduto,1,GDF,30,General Electric,1,gênero,1,geração compartilhada,1,geração de empregos,2,geração de energia,25,geração distribuída,8,geração eólica,18,geração solar,26,gerador,7,geradores a diesel,1,Gere sua energia,1,gestão,9,golpe,1,google,6,governo,67,greenpeace,2,greve,1,grupo gerador,1,habitíssimo,1,halógenas,3,heliotermia,4,heliotérmica,4,Hemocentro,1,hidrelétrica,20,hidrelétricas,27,hídrica,1,hidrometração,2,hidrômetro,1,história,3,HORÁRIO DE BRASÍLIA,6,HORÁRIO DE VERÃO,7,HORÁRIO DE VERÃO 2014/2015,2,hospital,1,HTTP/2,1,ibge,1,ICMS,9,idade,1,identificação,1,IDV,1,iluminação,24,imóveis,3,impeachment,2,impostos,12,inadimplência,3,incandescentes,4,individualização,1,indústria,18,inflação,3,informação,7,infraestrutura,7,Inmetro,1,inovação,66,inspeção,6,instalações,13,internet,34,investimentos,41,iPhone,1,irregularidades,5,Israel,1,ISSE 2016,1,Itaipu,7,Jirau,4,lâmpadas,12,laudo,7,laudo técnico,10,laudo termográfico,1,led,13,legislação,5,lei,18,leilão,12,licitação,3,light,3,linguagem de programação,2,linhas de transmissão,3,linux,1,literatura,2,lítio,1,livros,5,lixo,5,LUOS,5,luz,67,manutenção,14,marco civil,7,marketing,1,matriz elétrica,8,MDIC,1,megausinas,1,megawatts,1,MEI,1,Meio Ambiente,6,mercado,37,mercado de trabalho,7,mercado imobiliário,4,Mercosul,1,metrô-df,7,MG,2,Micro Empreendedor Individual,2,microgeração,26,microgeração de energia,28,microgeração distribuída,13,microsoft,5,microtorres eólicas,2,Minas Gerais,2,minigeração distribuída,4,Ministério de Minas e Energia,22,MMA,2,MME,14,mobilidade,1,Módulos Fotovoltaicos,4,monitoramento remoto,1,Montes Claros,1,mortes,3,motores a diesel,2,motores elétricos,1,MP,3,MTE,2,multinacional,2,museu,3,nanotecnologia,1,NBR,19,negócios,3,no-break,2,Normas,25,normativa,3,Norte de Minas,1,Novas tecnologias,2,NR-10,3,nuvem,2,onedrive,1,ONS,17,orelhões,1,outorga,1,painéis solares,29,painel fotovoltaico,41,palestra,7,para-raio,3,parecer técnico,1,Parque Tecnológico Itaipu,5,parques eólicos,8,pás de rotor,1,pátio,1,patrão,1,Pequenas empresas,2,perfil,1,pesquisa,25,petróleo,3,pilha,1,PL,21,placa fotovoltaica,26,planejamento,6,plano de privatização,4,plantas,2,plástico,1,PLS,5,pocel,1,política,7,poluição,5,portabilidade,7,Portugal,1,potabilidade,1,PPCUB,5,PPP,1,preço,4,Prefeitura de São Paulo,1,premiação,1,prevenção,3,primeira indústria de painéis,3,procel,3,professor,1,profissional habilitado,17,profissional liberal,7,Project Sunroof,1,projeto de lei,25,projetos na área,16,pronatec,1,proposta,7,Proteste,2,qualidade da água,1,QUANDO COMEÇA O HORÁRIO DE VERÃO,5,QUE HORAS SÃO,5,racionamento,9,rádio JK FM,1,raio,3,raios,5,recarga,1,reciclagem,4,rede inteligente,5,redes de smart grid,6,redes sociais,11,Reformas,10,registro profissional,4,regras,5,regras de convivência,5,reservatórios,16,resíduos,2,resolução,7,retrofit,1,revisão,1,revolução,2,RFID,1,risco de apagão,3,robôs voadores,1,rolamentos,1,salário,3,Santo Antônio,2,saúde,8,Sebrae,2,sedhab,1,segurança,30,seminário,1,Senai,3,Serviços,3,setor,4,setor elétrico,91,similares,1,síndico,15,Síndicos,20,sistema elétrico,5,smart grid,18,smartphone,6,sobrecarga,1,Socioeconomia,2,software,9,solar,26,Spotify,1,startup,2,stj,2,subsíndico,4,sustentabilidade,32,tarifa,92,TCDF,1,teatro,1,Técnicas,2,técnico,5,técnico de grau médio,10,técnicos industriais,15,tecnologia,41,tecnologia da informação,34,telecomunicações,16,telemedidores,2,temperatura,1,termelétrica,8,termografia,1,termologia,1,tesla,5,trânsito,1,transmissão de energia,6,tributação,7,turbina,4,turbina eólica,9,TV Digital,5,Ubuntu,1,UnB,6,União Européia,1,urbanismo,1,usina hidrelétrica,15,usina nuclear,2,usina solar,19,usinas eólicas,10,vento,1,video,6,videovigilância,1,vistoria,3,vizinho,3,voltagem,1,web,6,webinar,3,whatsapp,7,workshop,1,zelador,1,
ltr
item
apservtec: Setor elétrico quer novas regras para garantir rentabilidade no longo prazo
Setor elétrico quer novas regras para garantir rentabilidade no longo prazo
https://1.bp.blogspot.com/-Cum-dkWLSa8/V6uBMkVCP2I/AAAAAAAAcgw/QYkfuBdx5NUphyWC39Fz0EwK2FRzcpwMgCLcB/s200/Clean-Energy.png
https://1.bp.blogspot.com/-Cum-dkWLSa8/V6uBMkVCP2I/AAAAAAAAcgw/QYkfuBdx5NUphyWC39Fz0EwK2FRzcpwMgCLcB/s72-c/Clean-Energy.png
apservtec
http://servicos.atualidadepolitica.com.br/2016/09/setor-eletrico-quer-novas-regras-para.html
http://servicos.atualidadepolitica.com.br/
http://servicos.atualidadepolitica.com.br/
http://servicos.atualidadepolitica.com.br/2016/09/setor-eletrico-quer-novas-regras-para.html
true
104026982293760891
UTF-8
Carregar todos Post não encontrado Ver Todos Ler Mais Responder Cancelar resposta Deletar Por Início PÁGS POSTS Ver TUDO RELACIONADAS TÓPICO ARQUIVO BUSCAR TODOS A busca não retornou respostas Início Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Jan Fev Mar Abr Maio Jun Jul Ago Set Out Nov Dez agora 1 minuto há $$1$$ minutos 1 hora há $$1$$ horas Ontem há $$1$$ dias há $$1$$ semanas há mais de 5 semanas Seguidores Seguir CONTEÚDO EXLUSIVO - COMPARTILHE PARA ACESSAR 1º Compartilhe em suas redes sociais para liberar 2º Clique no link compartilhado em sua rede social Copiar TUDO Selecionar TUDO Todos os códigos foram copiados Códigos/textos não copiados, pressione [CTRL]+[C] (ou CMD+C no Mac) para copiar Sumário