Brasil prefere engavetar projetos a inovar pra valer

Temos profissionais para produzirmos em solo nacional TVs, celulares, carros, smartphones e tablets. Está faltando o quê? Países que quisera...

Temos profissionais para produzirmos em solo nacional TVs, celulares, carros, smartphones e tablets. Está faltando o quê?



Países que quiseram romper com a pobreza e o atraso investiram em educação e inovação. São exemplos disso a Noruega, Japão, Coréia do Sul dentre vários outros. Foi visando isso que surgiu o programa CI-Brasil. Esse programa teve como intuito gerir e qualificar brasileiros para tornar viável a criação de projetos em microeletrônica no país. Assim, surgiram as DHs (Design House) e os Centros de Treinamentos. A gestão desses centros coube a NSCAD com sede em Porto Alegre (RS) e ao Instituto Renato Archer, o CTI (Campinas-SP).

As DHs se espalharam pelo país, criando projetos para diversas áreas, incluindo TV Digital. A ideia era reduzir o saldo negativo na balança comercial do país, que historicamente é negativo no que tange a tecnologia. Estamos falando de bilhões de reais na balança, sobretudo em importações o que torna mais caro o produto e eleva a inflação.

Se no ponto máximo as DHs somavam pelo menos vinte e quatro instituições no país (2012), em 2016 foi o fundo do poço. Sem recursos, os centros de treinamentos estão sem turmas, DHs foram fechadas. O programa CI-Brasil acabou!

Na outra ponta da cadeia produtiva surgiu a CEITEC, com a finalidade de ser a fábrica dos circuitos integrados no país, representando um movimento tecnológico incrível. Mas desde seu início tem amargado prejuízos.

Qual o motivo por trás do fracasso desse projeto, se no mundo a área continua aquecida e rentável? Afinal, as Design Houses foram criadas e incentivadas para captar esses profissionais, a CEITEC foi criada e mesmo assim nosso mercado é dominado por asiáticos.

O motivo pelo qual hoje temos mais profissionais qualificados e sem perspectivas de atuação na área de especialização é simples: ficamos reféns da burocracia. Sem planos de carreiras, os salários se resumiram a bolsas pagas pelo CNPq.

Erramos ao deixar na mão do CNPq o desenvolvimento de uma cadeia tão complexa. O ministério e suas excessivas normas, regras e editais com prazos e questões fora do contexto global acabou sufocando e dizimando a área que poderia transformar a economia do país.

Um claro exemplo disso são os níveis implementados em forma de bolsas, em que a quantidade de anos na área significava um acréscimo, mas de quanto estamos falando? Estamos falando de um salário de R$3000,00 ou R$3500,00 para profissionais com cinco ou seis anos de experiência.

Fora do Brasil, um mesmo profissional ganha $70 mil (dólares anuais) o que convertendo em reais representa dez vezes o que recebem aqui os bolsistas no primeiro ano do programa.

Num primeiro momento essa bolsa representa uma oportunidade para se qualificar, visto que todo o conteúdo e prática se faz com ferramentas da Cadence, empresa americana líder na área. Depois da qualificação, que dura um ano, vem o mercado de trabalho e a inevitável comparação com outras áreas.

A realidade meus caros é que um recém formado ganha mais que R$2000,00. Um graduado em engenharia tem sua carteira assinada baseada num piso nacional, a CLT garante sua aposentadoria, as empresas oferecem ainda planos de saúde, vale transporte e vale alimentação, o que eleva a renda líquida do profissional.

Mas e os membros discentes do programa, o que ganharam? Ganharam bolsas e nada mais. Sem perspectiva de crescimento a fuga de profissionais cresceu. Crescendo a ponto de não ter mais interesse ou Design House.

A produção de uma DH é o Circuito Integrado, um CI em silício (produto para celulares, tablets, notebooks, etc), diferente da produção de um grupo de pesquisa em universidade, que até podem desenvolver algo assim, mas com a principalmente finalidade de gerar artigos ou trabalhos (dissertações e teses).

As DHs deveriam gerar produtos com alto valor agregado, tirando o Brasil do vergonhoso atraso tecnológico. Com o fim da SMDH, seus projetos entrarão para a história como sendo fruto de um grande trabalho feito por uma equipe de profissionais que agora se veem procurando uma oportunidade, para qualquer área, visto que a sua não existe mais.

O Brasil perde com essa migração profissional, perde em competitividade. A Coréia do Sul é o exemplo de como investir em tecnologia transforma a economia e qualidade de vida de uma nação, nós que já fomos várias vezes tido com o país do FUTURO, amargaremos mais uma vez o atraso.
Precisamos repensar em como gerir a pesquisa e inovação no país. Erramos, perdemos e a consequência será a falta de competitividade, uma balança comercial de exportação de minérios e grãos e importação de tecnologia.

Falam que o país precisa de um estado menor e mais eficiente. Que precisamos de uma indústria inovadora e competitiva. Fizeram uma PEC para limitar gastos, mas não fizeram o mais simples: deixar quem entende liderar a inovação.

Temos profissionais para produzirmos em solo nacional e com tecnologia nacional TVs, celulares, carros, smartphones, tablets. O que nos falta é a liberdade de produção. Deixar que um programa como esse fique a cargo do MCTI, CNPq e similares. Acham que produção é geração e publicação de artigos.

Produção é geração de produtos, patentes. Produtos para problemas nacionais, mercado temos, profissionais também, mas infelizmente temos um governo que desconhece o significação da tecnologia, inovação e ciência de verdade.

Agora ficaremos com os papéis, os artigos, as propostas de projetos. A China, a Índia, a Coréia do Sul e outros, esses ficarão com bilhões do nosso bolso. Com todo o nosso mercado. Não reclamemos então pelos altos preços pagos em equipamentos vindos desses países, nem da demora em chegarem aqui para venda.

O melhor seria voltar a idade média e vivermos sem luz ou internet, pois se nos mantivermos conectados seremos vítimas fáceis da comparação: o que temos aqui e o quem tem eles por lá? Quanto pagamos aqui e quanto eles pagam por lá? O que o governo deles elegem como prioridade e em que o nosso investe?

Fonte: DINO - Divulgador de Notícias

COMENTÁRIOS

Nome

14136,1,14136:2002,1,16280,11,abastecimento,7,Abinee,2,ABNT,22,Abraceel,3,abradee,7,ação social,3,acidentes,9,ADASA,1,administração de condomínios,6,AES,2,água,28,Alston,1,ambiente interno,1,ANA,1,Anatel,5,Android,1,aneel,67,Angra,1,ANP,1,apagão,8,Aplicações,2,aplicativo,5,Apple,2,aquecedor solar,2,aquecimento,3,ar condicionado,3,arquitetura,4,ART,2,Asolar Energy,1,associações,3,assosindicos,29,assosindicos-df,25,aterramento,2,audiência pública,5,autoconsumo remoto,1,autogeração,4,autogeradores,2,automação,1,automóvel,6,autônomo,5,Baidu,2,bairro,1,banda-larga,6,bandeiras tarifárias,55,barrageiro,1,bateria,27,Belo Monte,9,bicicleta,2,biodiesel,2,bioenergia,5,biogás,1,biohacking,1,biomassa,5,biotecnologia,1,blog,4,blogueiros de brasília,7,BNDES,11,boletos,1,bom negócio,2,Bovespa,1,bricolagem,1,BRICS,2,burocracia,1,cabeamento estruturado,2,Cade,2,CAESB,3,calculadora,1,campanha,4,carnaval,1,carregador,6,carreira,15,carro elétrico,23,cartel,3,cartilha,5,carvão,2,catavento,2,CCEE,7,CEB,32,CELG,2,celular,11,células de combustível,1,centrais hidrelétricas,1,cesp,1,cftv,2,charge,3,chefe,1,China,9,chip,1,choque,4,choque elétrico,6,cidade inteligente,4,Ciência,8,Cinema,2,classe,1,CLDF,6,climatização,1,CO2,7,código de posturas,1,cogeração qualificada,1,coletores solares,1,combustíveis,4,comércio,2,computadores,4,comunicação,11,concessionárias,8,concurso público,1,condomínio,27,Condomínios,27,congresso,3,conjuntura,1,construção civil,3,consulta pública,7,consumo,77,conta,69,controle de acesso,1,convenção,1,convênios,1,convivência,5,CoP21,4,Copel,2,corrupção,7,CPFL,10,CREA,5,CREADF,4,crise,10,crise energética,12,crise hídrica,58,CSEM,2,cultura,4,currículo,5,cursos,22,custos,4,decreto,1,defesa civil,4,desabastecimento,2,descarga atmosférica,6,descarga elétrica,6,descargas elétricas,5,desmatamento,3,diesel,3,direito tributário,1,disjuntores,1,Dispositivo de Proteção contra Surtos,2,Dispositivo DR,2,distribuidora,15,Distrito Federal,7,dívida,4,Doe Sangue,1,DPS,2,drones,3,ecológico,2,economia,158,Edificações,7,Eduardo Braga,3,educação,12,eficiência energética,25,elétrica,11,eletricidade,46,eletricista,3,eletrobras,8,eletroeletônicos,1,Eletrolão,1,eletrônica,4,Eletros,1,elevadores,3,empreendedorismo,9,emprego,15,empreiteiras,2,Empresa de Pesquisa Energética,3,Empresas,4,Empresas abertas,1,Empresas brasileiras,1,Empresas estatais,1,endividamento,3,energia,88,energia elétrica,85,energia eólica,30,energia limpa,19,energia nuclear,4,energia renovável,32,energia solar,107,energia sustentável,13,energias alternativas,17,engenharia,28,ensino,6,entidades,1,entretenimento,1,eólica,16,EPE,6,escola,4,escolaridade,1,estágio,1,Estatais brasileiras,1,estatísticas,1,estatuto,1,evento,18,exposição,6,fábrica,7,facebook,2,falta de energia,9,família luz,1,feira,5,FGTS,4,Fiepa,1,finanças,4,financeiro,2,fios e cabos elétricos,11,fluorescentes,4,FMI,1,fontes renováveis,19,fotovoltaico,52,fraude,7,frente parlamentar,2,Funai,1,futuro,5,gás,8,gás natural,8,gasoduto,1,GDF,30,General Electric,1,gênero,1,geração compartilhada,1,geração de empregos,2,geração de energia,25,geração distribuída,8,geração eólica,18,geração solar,26,gerador,7,geradores a diesel,1,Gere sua energia,1,gestão,9,golpe,1,google,6,governo,67,greenpeace,2,greve,1,grupo gerador,1,habitíssimo,1,halógenas,3,heliotermia,4,heliotérmica,4,Hemocentro,1,hidrelétrica,20,hidrelétricas,27,hídrica,1,hidrometração,2,hidrômetro,1,história,3,HORÁRIO DE BRASÍLIA,6,HORÁRIO DE VERÃO,7,HORÁRIO DE VERÃO 2014/2015,2,hospital,1,HTTP/2,1,ibge,1,ICMS,9,idade,1,identificação,1,IDV,1,iluminação,24,imóveis,3,impeachment,2,impostos,12,inadimplência,3,incandescentes,4,individualização,1,indústria,18,inflação,3,informação,7,infraestrutura,7,Inmetro,1,inovação,66,inspeção,6,instalações,13,internet,34,investimentos,41,iPhone,1,irregularidades,5,Israel,1,ISSE 2016,1,Itaipu,7,Jirau,4,lâmpadas,12,laudo,7,laudo técnico,10,laudo termográfico,1,led,13,legislação,5,lei,18,leilão,12,licitação,3,light,3,linguagem de programação,2,linhas de transmissão,3,linux,1,literatura,2,lítio,1,livros,5,lixo,5,LUOS,5,luz,67,manutenção,14,marco civil,7,marketing,1,matriz elétrica,8,MDIC,1,megausinas,1,megawatts,1,MEI,1,Meio Ambiente,6,mercado,37,mercado de trabalho,7,mercado imobiliário,4,Mercosul,1,metrô-df,7,MG,2,Micro Empreendedor Individual,2,microgeração,26,microgeração de energia,28,microgeração distribuída,13,microsoft,5,microtorres eólicas,2,Minas Gerais,2,minigeração distribuída,4,Ministério de Minas e Energia,22,MMA,2,MME,14,mobilidade,1,Módulos Fotovoltaicos,4,monitoramento remoto,1,Montes Claros,1,mortes,3,motores a diesel,2,motores elétricos,1,MP,3,MTE,2,multinacional,2,museu,3,nanotecnologia,1,NBR,19,negócios,3,no-break,2,Normas,25,normativa,3,Norte de Minas,1,Novas tecnologias,2,NR-10,3,nuvem,2,onedrive,1,ONS,17,orelhões,1,outorga,1,painéis solares,29,painel fotovoltaico,41,palestra,7,para-raio,3,parecer técnico,1,Parque Tecnológico Itaipu,5,parques eólicos,8,pás de rotor,1,pátio,1,patrão,1,Pequenas empresas,2,perfil,1,pesquisa,25,petróleo,3,pilha,1,PL,21,placa fotovoltaica,26,planejamento,6,plano de privatização,4,plantas,2,plástico,1,PLS,5,pocel,1,política,7,poluição,5,portabilidade,7,Portugal,1,potabilidade,1,PPCUB,5,PPP,1,preço,4,Prefeitura de São Paulo,1,premiação,1,prevenção,3,primeira indústria de painéis,3,procel,3,professor,1,profissional habilitado,17,profissional liberal,7,Project Sunroof,1,projeto de lei,25,projetos na área,16,pronatec,1,proposta,7,Proteste,2,qualidade da água,1,QUANDO COMEÇA O HORÁRIO DE VERÃO,5,QUE HORAS SÃO,5,racionamento,9,rádio JK FM,1,raio,3,raios,5,recarga,1,reciclagem,4,rede inteligente,5,redes de smart grid,6,redes sociais,11,Reformas,10,registro profissional,4,regras,5,regras de convivência,5,reservatórios,16,resíduos,2,resolução,7,retrofit,1,revisão,1,revolução,2,RFID,1,risco de apagão,3,robôs voadores,1,rolamentos,1,salário,3,Santo Antônio,2,saúde,8,Sebrae,2,sedhab,1,segurança,30,seminário,1,Senai,3,Serviços,3,setor,4,setor elétrico,91,similares,1,síndico,15,Síndicos,20,sistema elétrico,5,smart grid,18,smartphone,6,sobrecarga,1,Socioeconomia,2,software,9,solar,26,Spotify,1,startup,2,stj,2,subsíndico,4,sustentabilidade,32,tarifa,92,TCDF,1,teatro,1,Técnicas,2,técnico,5,técnico de grau médio,10,técnicos industriais,15,tecnologia,41,tecnologia da informação,34,telecomunicações,16,telemedidores,2,temperatura,1,termelétrica,8,termografia,1,termologia,1,tesla,5,trânsito,1,transmissão de energia,6,tributação,7,turbina,4,turbina eólica,9,TV Digital,5,Ubuntu,1,UnB,6,União Européia,1,urbanismo,1,usina hidrelétrica,15,usina nuclear,2,usina solar,19,usinas eólicas,10,vento,1,video,6,videovigilância,1,vistoria,3,vizinho,3,voltagem,1,web,6,webinar,3,whatsapp,7,workshop,1,zelador,1,
ltr
item
apservtec: Brasil prefere engavetar projetos a inovar pra valer
Brasil prefere engavetar projetos a inovar pra valer
https://4.bp.blogspot.com/-FqQPWYiJ8LQ/WBwFxc3tnkI/AAAAAAAAds0/9YiZ1t70myQHFquSYXoqYsvS8UKYARDnACLcB/s1600/pcb_board.jpg
https://4.bp.blogspot.com/-FqQPWYiJ8LQ/WBwFxc3tnkI/AAAAAAAAds0/9YiZ1t70myQHFquSYXoqYsvS8UKYARDnACLcB/s72-c/pcb_board.jpg
apservtec
http://servicos.atualidadepolitica.com.br/2016/11/brasil-prefere-engavetar-projetos.html
http://servicos.atualidadepolitica.com.br/
http://servicos.atualidadepolitica.com.br/
http://servicos.atualidadepolitica.com.br/2016/11/brasil-prefere-engavetar-projetos.html
true
104026982293760891
UTF-8
Carregar todos Post não encontrado Ver Todos Ler Mais Responder Cancelar resposta Deletar Por Início PÁGS POSTS Ver TUDO RELACIONADAS TÓPICO ARQUIVO BUSCAR TODOS A busca não retornou respostas Início Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Jan Fev Mar Abr Maio Jun Jul Ago Set Out Nov Dez agora 1 minuto há $$1$$ minutos 1 hora há $$1$$ horas Ontem há $$1$$ dias há $$1$$ semanas há mais de 5 semanas Seguidores Seguir CONTEÚDO EXLUSIVO - COMPARTILHE PARA ACESSAR 1º Compartilhe em suas redes sociais para liberar 2º Clique no link compartilhado em sua rede social Copiar TUDO Selecionar TUDO Todos os códigos foram copiados Códigos/textos não copiados, pressione [CTRL]+[C] (ou CMD+C no Mac) para copiar Sumário